Meu primeiro Mochilão – O primeiro dia no Salar de Uyuni

Quando entrei no café da senhora salvadora, parecia que eu estava sonhando. Já estava quentinho, tinha banheiro, os preços do café da manhã eram em conta e tinha chá de coca. Eu tava bastante “baleada” com a viagem suuuuper tranquila que tinha feito.

Era ainda 5 da manhã, mas não tínhamos jantado. Pedimos um café da manhã com pães, ovos mexidos, geleia e manteiga, além, do café (sempre solúvel) e chá de coca (que eu me obriguei a tomar, odeio chá).

Localização do Café da Nonis
Local do Café da Nonis, perto da praça Arce, praça com algumas agências e lojas de artesanatos típicos

Aproveitei para carregar o celular, usar o wi-fi e matar a saudade dos que estavam aqui preocupados (não contei o que exatamente aconteceu para minha mãe).

Quando se está longe, a saudade que bate de algumas pessoas, e nem sempre são os seus familiares, mostra o quanto essas pessoas são importantes para você. Nesse mochilão eu senti vontade de compartilhar meu dia-a-dia com quem ocupava meu coração. E você sente isso mesmo, uma vontade de contar tudo, encher o saco da pessoa.

Ficamos ali por horas, fomos no banheiro nos “lavar” (isso é, usar lenços umedecidos em algumas partes do corpo que precisam), nos arrumamos, passamos protetor solar. Outra coisinha, nunca espere um banheiro com papel higiênico, e por favor, sempre tenha um protetor descartável de assento sanitário.

O comércio abre as 8 da manhã. A senhorinha salvadora já estava olhando para a minha cara com olhar de “já deu né linda”.

Miguel Páez
Cidade de Uyuni – Imagem da Internet

Dada a hora, saímos com nossos mochilões em busca de:

1- uma casa de cambio para a minha amiga trocar o seu dinheiro, já que não deu tempo de trocar no dia anterior, por conta dos atrasos do voo.

2- procurar uma agência para fazer o passeio de 3 dias do Salar de Uyuni com a passagem para San Pedro de Atacama (eu já tinha uma agência).

Fomos procurar uma boa cotação para trocar os dólares suficientes para o passeio, porque depois disso, iríamos para o Chile. E achamos uma boa cotação próximo ao mercado de Uyuni.

Trocado o dinheiro. Era hora de achar a agência que eu já tinha contatado por e-mail, no Brasil mesmo. Eu ia fechar o passeio com a Esmeralda Tours, porque eu havia lido muitos relatos positivos dessa agência, então eu confiava.

Localização da Esmeralda Tours
Localização da Esmeralda Tour

Paguei 850bol pelo tour de 3 dias e 2 noites, em um carro 4×4 que cabem 6 pessoas, com a passagem para San Pedro de Atacama já incluída. Lembrando que por fora, precisa levar 196bol porque não está incluído os ingressos para:

  • Isla Incahuasi 30 bs.
  • Reserva Eduardo Avaroa 150 bs.
  • Ducha quente na primeira noite 10 bs.
  • Águas termais 6 bs.

No tour está incluindo hospedagem nas duas noites, todas as refeições e guia em todos os lugares.

O tour sairia 10 horas da manhã, ainda eram 9 horas. Para gastar esse tempo, ficamos passeando pela cidade de Uyuni, entramos em todas as lojas possíveis e compramos lembrancinhas. Também compramos água e alguns biscoitos para comer durante o passeio.

Eu tenho um problema sério com lojinhas de artesanatos, eu quero comprar tudo para todos. Chaveiros, imãs, toquinhas… Eu estava enlouquecida!

No horário marcado e no ponto marcado, o carro para o passeio chegou. O guia seria o Emílio, muito simpático e disponível, mesmo que ficasse enlouquecido com 3 mulheres faladeiras.

O carro era para 6 pessoas, ou seja, além de nós, tinham mais 3 pessoas. Dois deles também eram brasileiros, de São Paulo, e um, americano que estava viajando sozinho pela América Latina nas férias da sua faculdade.

Vale ressaltar que você precisa deixar tudo que irá precisar, nesse dia, na sua mochila de ataque, porque o mochilão irá na parte de cima do carro, e não terá acesso até chegar no hostel, no final do dia.

  • PRIMEIRA PARADA

A primeira parada do tour ficava à, aproximadamente, 5 minutos da cidade de Uyuni. Nem dá tempo de se ajeitar dentro do carro que logo é hora de sair para o Cementério de Trenes.

Cemitério de trens - Uyuni
Cemitério de trens – Uyuni

São 40 minutos por um local, que nada mais é, que um local de trens e peças de trens abandonados, próximo a um trilho inutilizado também. Todo o local, com uma paisagem de deserto, cria um ar de velho oeste americano.

Cemitério de trens - Uyuni
Cemitério de trens – Uyuni

Contudo, não diria que a segurança faz parte dessa parada. Os trens são enferrujados e cheios de peças soltas ou deterioradas, e, quem sobe em cima (que é a grande graça do passeio), tem que se equilibrar muito, para subir, porque não é fácil, e para permanecer, pois venta muito e o piso é irregular.

Tivemos a sorte de encontrar esse local sem muitos turistas, pois já li que dependendo da hora fica lotado e quase não dá pra aproveitar e sentir a atmosfera do lugar.

Cemitério de trens - Uyuni
Explorando, com cuidado, o cemitério
  • SEGUNDA PARADA

Após 40 minutos, entramos de novo no carro e fomos para uma feirinha em Colchani. É uma parada tida como “pega turista”, mas eu sofro desse mal e comprei. Os casacos, pechinchados, saíram bem em conta.

Ficamos 20 minutos nessa parada.

  • TERCEIRA PARADA

Fomos para a parte do Salar onde locais coletam o sal, e formam-se montinhos de sal. Claro, que deve ser uma parte que deixam para os turistas curtirem, não chegamos no local de trabalho da salina.

Montes de sal
Sim, isso é SAL

Ficamos uns 20 minutos nessa parada.

  • QUARTA PARADA

A parada para o almoço.

O almoço de todas as agências que fazem esse passeio saindo de Uyuni é em um antigo hotel de sal. O guia avisa que vai demorar meia hora até que o almoço esteja pronto.

Antigo Hotel de sal
O antigo Hotel de sal – hoje local do almoço do 1º dia

Enquanto o almoço é preparado, ficamos ao redor do hotel.

É uma região bem central no Salar, isso é ótimo para as fotos em perspectivas. Nesse local o sal também é mais limpo, isto é, por ser uma região mais central, os ventos não trazem terra para misturar com o sal.

Todo o grupo
Todo o grupo em perspectiva

Nesse local também está o monumento a Dakar Bolívia (uma corrida off road que acontece todo ano em Uyuni, além de outras etapas na Bolívia, Peru e Argentina) e também um monumento as bandeiras de vários países.

O monumento as bandeiras
Monumento as bandeiras, incluindo a bandeira dos Povos Andinos

Depois de meia hora curtindo a paisagem e tirando um trilhão de fotos, a esperada hora de encher a pança havia chegado.

De almoço, tivemos bife de carne bovina(?), arroz de quinoa e batatas. Tinha opção de salada e cenoura para vegetarianos. E maionese (mas eu não curto maionese, então até esqueço que tinha). Aaah, e a Coca-Cola quente hahaha.

  • QUINTA PARADA
As minhas companheiras de mochilão
Apresento-lhes Elis e Sarah, minhas companheiras nesse mochilão

A quinta parada foi também no meio do Salar. Em épocas de chuva seria a parte alagada, porém, como não era época de chuva, estava seco.

ALERTA PARA A TEMPERATURA QUE FAZIA. ÚNICA VEZ NO SALAR QUE EU POSSO DIZER SENTIR CALOR.

No meio do Salar
A imensidão do Salar

Ficamos uns 40 minutos nessa parada.

  • SEXTA PARADA

Essa parada precisa pagar para entrar 30bol.

Isla Incahuasi
Isla Incahuasi

A Isla del Pescado ou Isla Incahuasi, é uma ilha no meio do Salar, cheia de cactos que podem chegar até 10 metros de altura. Cada cacto cresce 1cm por ano, imagina quantos anos tem os que chegam até 10 metros?

Na entrada existe um centro de visitantes, com banheiros e um bar. Paguei os 30 bol e comecei a subir, por uma trilha muito bem sinalizada.

O difícil disso é subir mesmo, seu ponto mais alto está a 3.822m de altura. Ou seja, cada degrau que você sobe, é uma falta de ar e um cansaço sem fim.

Isla Incahuasi
Isla Incahuasi

Confesso, eu não consegui subir ela inteira, fui até a metade e voltei. Cada vez ficava mais cansada e parar para descansar não adiantava em nada.

Ficamos uma hora e meia nessa parada.

  • SÉTIMA PARADA

IMG_1973

A tarde já estava caindo e chegou o momento da melhor parte desse dia, o pôr do sol.

O pôr do sol no Salar é sem dúvidas o mais incrível que eu já vi. As cores que se formam no céu são surreais. Cada segundo é um cenário novo, cada segundo é um show à parte.

Pôr do Sol no Salar
Pôr do Sol no Salar
Pôr do Sol no Salar
Pôr do Sol no Salar

Única parte ruim é que com o pôr do sol, a temperatura vai caindo drasticamente. E como faz frio no Salar! Como é um lugar muito seco, fica congelante.

Após esse espetáculo, fomos para o hostel. O hostel já é em uma região fora do Salar, então não tem mais deserto de sal durante esse tour. Porém, o hostel é feito de sal, com chão de areia e sem calefação nenhuma, diga-se de passagem.

Hoje seriam 2 quartos, 3 camas cada uma. Ficou o quarto das meninas e o quarto dos meninos, dividido certinho. Todos, após se acomodarem nos quartos, saíram para o jantar.

O jantar foi uma sopa muito gostosa, e quente, de entrada. Bife com batata frita de prato principal e eu não lembro a sobremesa, por não comer. E como sempre Coca-Cola quente.

Após o jantar, fui tomar banho (custa 10bol) e dormir. Porque no dia seguinte iria acordar muito cedo para mais um dia inesquecível, e põe inesquecível nisso…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s